Bateria náutica: qual a mais indicada para sua embarcação?

Compartilhe:

Já falamos em nosso blog sobre a importância de alguns itens fundamentais para uma embarcação, como o motor e o hélice. Mas, hoje, é dia de falar sobre mais uma das peças importantes para o funcionamento do barco, vamos falar sobre a bateria náutica. Como essa peça funciona? Qual sua função? E qual é a mais indicada para a sua embarcação?

Confira mais detalhes a seguir!

Qual é a função da bateria náutica em uma embarcação?

A principal função da bateria náutica nos barcos, lanchas, iates e demais veículos aquáticos, é auxiliar o motor a dar partida e também alimentar a eletricidade da embarcação, servindo como fonte de energia para luzes e equipamentos. 

E para cada finalidade dessas citadas acima é utilizado um tipo de equipamento, ou seja, existem dois tipos de baterias náuticas – as baterias de motor e as baterias de serviços. 

Bateria náutica de motor: serve para fornecer correntes altamente potentes em um breve intervalo de tempo, gerando assim força para o motor da embarcação dar partida. 

Bateria náutica de serviço: auxilia na geração da energia elétrica que é responsável por iluminar a embarcação e por garantir o funcionamento de equipamentos, como: televisão, geladeira, microondas, rádios, GPS, refrigerador, ar condicionado, ventiladores e demais acessórios disponíveis na lancha. 

A principal diferença entre elas é que a bateria náutica de motor gera grandes correntes elétricas em curto período de tempo, enquanto a bateria náutica de serviço gera correntes menores, no entanto por períodos mais longos. 

Quanto tempo dura uma bateria náutica?

A resposta para essa pergunta se torna uma variável, já que depende de vários fatores. Mas de forma geral, a carga da bateria pode durar, em média, 700 ciclos carga\descarga. No entanto, a vida útil da bateria tem duração, na maioria dos casos, de 3 a 4 anos. Para isso, é importante lembrar que vai depender muito dos cuidados com ela, se ela é sempre mantida carregada, se não é utilizada até o fim da carga, entre outros fatores. Além disso, utilizar baterias de primeira é fundamental. 

Como prolongar a vida útil de uma bateria do barco?

Existem determinados cuidados que podem ser tomados para prolongar a vida útil da bateria náutica do seu barco. O primeiro cuidado é o mesmo indicado para todas as peças importantes de uma lancha: mantenha a manutenção em dia. Essa é a forma mais preventiva e segura de cuidar da sua embarcação e manter o bom funcionamento dela. 

Cheque a bateria do barco constantemente, verifique se os cabos estão bem fixos e sem sinais de oxidação, se ela não está superaquecendo, e para preservar ainda mais o estado físico do equipamento, passe vaselina nos polos da peça para aumentar a proteção externa. 

E por falar em superaquecida, quanto maior for a temperatura em que a bateria for submetida, menor será seu tempo de vida útil. Geralmente, as baterias ficam na casa de máquinas da embarcação, um ambiente fechado com muitos equipamentos gerando calor ao mesmo tempo, ou seja, é necessário que esse espaço tenha um bom sistema de exaustão. 

Como escolher a bateria náutica indicada para sua embarcação?

Algumas questões precisam ser avaliadas antes de escolher a bateria náutica da sua embarcação, como: qual será o tempo médio de uso diário dos equipamentos que precisam de energia elétrica? 

Respondendo essa pergunta, ficará mais fácil de você identificar qual será a potência da bateria. Lembrando que é recomendado o uso de baterias com a potência de até duas vezes e meia a mais do que o necessário para seu barco. 

E a melhor forma de analisar isso é conhecendo as medidas “AH” – que é a capacidade de armazenamento de energia em amperes por hora. E “CCA” – que mostra a corrente máxima que ela pode fornecer para o motor de arranque. 

Na hora da compra, conte com a ajuda de um profissional!

Podemos aprender diversas curiosidades sobre a bateria náutica, não é mesmo? Então não deixe para lembrar do equipamento da sua embarcação somente quando ele apresentar problema. Coloque essas dicas em prática e garanta um bom funcionamento de todos os equipamentos da lancha. 

Se você ficou com alguma dúvida sobre o assunto, entre em contato com a equipe da FS Yachts e saiba mais informações também sobre as nossas lanchas! 

O hélice do barco “derrapou”: saiba como resolver esse problema!

Compartilhe:

Uma peça aparentemente tão pequena – diante do tamanho de uma embarcação – mas que é de extrema importância para o bom funcionamento da mesma. Hoje vamos novamente falar sobre o hélice do barco. E também citar algumas dicas de como resolver o problema de quando a peça “derrapa”. Confira mais informações sobre o assunto a seguir!

Qual a importância do hélice do barco?

Antes de explicarmos como resolver o problema quando o hélice do barco derrapa, vamos relembrar a importância da peça e como é o funcionamento dela. Já sabemos que o que gera potência para a embarcação navegar é o seu motor, porém o que faz com que essa potência se transforme em força para movimentá-la, são os hélices. 

Essa é a principal função do hélice do barco, transformar a potência do motor em força para gerar impulso e para que o casco navegue perfeitamente. As pás da peça trabalham por diferença de pressão, formando um movimento circular. Essa circunferência é conhecida como o “diâmetro do hélice”. 

O diâmetro do hélice do barco é medido em polegadas ou milímetros, isso é determinado pelo espaço do barco para que as pás possam girar com espaço suficiente para não colidir com nada. Quanto mais pesado for o barco, automaticamente maior será o diâmetro do seu hélice. 

Hoje existem no mercado vários tipos de hélices, de diferentes materiais, tamanhos, modelos, desenhos e preços. E por esse motivo, quem não tem muito conhecimento no assunto pode acabar ficando na dúvida, em qual hélice é o mais indicado para sua embarcação. 

Nesses casos, sempre é recomendado procurar a ajuda de um profissional qualificado para auxiliar na escolha do hélice do barco. Já que é uma peça tão importante e levando em conta que cada tipo de lancha se adapta melhor com um tipo de hélice – a escolha dessa peça deve ser precisa. 

Possíveis problemas com o hélice do barco

Agora que já entendemos um pouco mais sobre o hélice do barco, é hora de saber quais possíveis problemas podem acontecer com a funcionalidade dessa peça. Já que caso os hélices estejam inadequados ou apresentando algum problema, eles poderão acarretar em empecilhos para o motor a sua embarcação. 

Algumas complicações comuns que podem afetar o funcionamento do hélice do barco, é a falta de lubrificação, a corrosão nas engrenagens, emaranhados de linhas de pescador e a ‘’derrapagem’’. 

Como resolver problemas com ‘’derrapagens’’ ?

Sobre os demais possíveis problemas citados acima, temos um conteúdo exclusivo em nosso blog, abordando alguns cuidados que devem ser tomados para evitar esses tipos de problemas: clique aqui para conferir o texto na íntegra. Mas hoje, vamos abordar em específico algumas dicas de como resolver os problemas com as ‘’derrapagens’’. 

1. Aumentar o giro da embarcação e ela não sair do lugar 

Pode acontecer do piloto acelerar seu barco, com isso o giro aumentar, porém a embarcação não sair do lugar. Uma possível explicação para esse caso – é quando acontece um ‘’derrapamento’’ do hélice do barco – é como se as peças não tivessem força suficiente para mover a lancha.  

Isso ocorre quando o hélice não está bem dimensionado com o tamanho da embarcação, ou seja, ele está com pouco espaço para trabalhar – esse problema pode estar associado com lanchas de pé-de-galinha e motor central. 

Para resolver essa situação é bem simples, levando em conta alguns cuidados no processo. A melhor alternativa é trocá-lo por um hélice de diâmetro maior, o que fará com que aumente a área de contato com a água, assegurando um bom funcionamento de todas as peças. 

2. Fenômeno de ventilação 

Outra possível explicação para acontecer o ‘’derrapamento’’ da embarcação é o fenômeno de ventilação, quando o hélice está muito perto da superfície da água e acaba sugando o ar de fora. Esse tipo de problema é mais comum em casos de embarcações com motor de popa e centro-rabeta. 

Se esse for o motivo de ‘’derrapar’’, a solução é baixar o trim e acelerar até que o barco saia do efeito de ventilação. Existem alguns tipos de hélices que permitem trabalhar mais próximas da superfície, como os de aço inox. E se ainda assim restarem dúvidas, é importante consultar um especialista.  


Gostou das dicas? Agora que tal saber mais informações sobre as lanchas FS? Entre no nosso site e conheça de perto. Há mais de 20 anos entregando embarcações inovadoras e com design único para satisfação de você nosso cliente.

Confira 5 maneiras de economizar combustível do seu barco

Compartilhe:

Nem todos os pilotos sabem, mas existem dicas simples e práticas que podem ajudar na hora de economizar combustível do seu barco. E os benefícios são muitos. Além da economia financeira, é possível percorrer um caminho mais longo, sem a necessidade de abastecer a embarcação com tanta frequência. 

Portanto, se é possível de alguma forma economizar combustível do seu barco colocando algumas dicas simples em prática, porque não tentar? Se você quer saber por onde começar, nós separamos 5 formas de como colocar isso em prática. Confira! 

Boa leitura! 

5 maneiras de economizar combustível do seu barco

Manutenção em primeiro lugar

Essa dica sempre está presente quando o assunto são os cuidados com o barco e a economia em diversas formas: manter a manutenção em primeiro lugar. A manutenção preventiva da sua embarcação pode evitar gastos com reparos e substituições de peças e equipamentos. 

É possível economizar combustível do seu barco, mantendo a manutenção do motor, por exemplo, em dia. Isso porque a revisão assegura que o motor e as demais peças fundamentais da embarcação mantenham seu funcionamento corretamente, garantindo um bom desempenho e eficiência. E assim também evitando problemas como o gasto excessivo de combustível.

Combustível calculado

Pode parecer mais prático encher o tanque cada vez que vai abastecer, mas se você pretende economizar combustível do seu barco, essa pode não ser a melhor estratégia. O tanque cheio de gasolina adiciona muito peso à sua embarcação, exigindo mais força do motor e automaticamente gastando mais combustível ao navegar

Especialistas recomendam que o combustível seja calculado sempre ⅓ a mais do que a lancha precisa para realizar determinada viagem. É interessante fazer esse cálculo antes de iniciar o passeio. Sem esquecer, é claro, de abastecer somente com o combustível necessário para realizar a sua viagem em segurança

Só leve o que for necessário

Assim como o combustível acrescenta peso à embarcação, os demais utensílios e objetos também. Portanto, é interessante que você carregue somente o que precisa para sua viagem, principalmente se outros tripulantes estiverem a bordo com suas bagagens. 

Quanto mais leve o barco, menos força exigirá do motor e assim menor será o consumo de combustível. Outra dica interessante em relação ao peso da embarcação é fazer uma boa distribuição de peso para manter a estabilidade do barco. 

Mantenha a velocidade adequada

Muitos pilotos gostam do frio na barriga que sentem ao pilotar em alta velocidade, mas para aqueles que têm interesse em economizar combustível do seu barco (além de não ser recomendado a alta velocidade devido ao risco de acidente), essa também não é uma estratégia muito aconselhada. Desacelerar um pouco durante as suas viagens pode economizar uma enorme quantidade de combustível e dinheiro também.  

Limpeza em dia

Pode parecer uma dica simples, porém pode fazer toda diferença na hora de economizar combustível do seu barco. Quando a embarcação fica atracada por um certo tempo na água, é comum que comece a grudar no casco diversos tipos de sujeiras, criando um acúmulo de organismos marinhos e ervas daninhas. 

Esses tipos de resíduos aumentam o atrito da lancha ao entrar em contato com a água e assim intensificam o arrasto quando a embarcação fica em movimento, causando um impacto considerável no gasto de combustível, gerado pela necessidade de forçar mais o motor ao navegar. 

Por isso é recomendado uma limpeza anual no casco – se necessário até antes mesmo desse tempo. Também existem no mercado opções de revestimentos anti-incrustante e ceras que podem ser aplicadas no casco para evitar o acúmulo desses resíduos e facilitam a limpeza periódica.

Essas foram algumas das principais dicas para economizar combustível do seu barco, lembrando que é muito importante que você conte com empresas de sua confiança para realizar as manutenções da sua embarcação e escolha um posto seguro para abastecer. 

Utilizar um combustível de má qualidade pode acarretar em sérios problemas à sua embarcação, temos um conteúdo exclusivo com mais informações sobre combustível adulterado e quais as consequências de seu uso: clique aqui para saber mais. 

Ficou mais fácil economizar combustível do seu barco com essas dicas, não é mesmo? Agora é só começar a colocá-las em prática e desfrutar dos benefícios. Se você gostou deste conteúdo, siga nossas redes sociais Facebook e Instagram e fique por dentro de muitas outras novidades sobre o mundo náutico. 

Como calcular a velocidade de cruzeiro da lancha?

Compartilhe:

Quem não é marinheiro de primeira viagem e já pilota há certo tempo sabe que existe um ponto certo de equilíbrio que faz com que o motor tenha menos desgastes e a embarcação consuma menos combustível durante as viagens. Isso é possível quando se atinge a velocidade ideal e a estabilidade entre o motor e o casco da lancha. Por isso, neste conteúdo, vamos dar dicas de como calcular a velocidade de cruzeiro e explicar um pouco mais sobre o assunto náutico.

Afinal, o que é velocidade de cruzeiro?

A velocidade de cruzeiro é uma faixa de velocidade que mantendo-se dentro dela, o desgaste do motor da embarcação é menor. Essa faixa varia utilizando em média 50 a 60% da rotação máxima do motor. 

Em embarcações com motorização a gasolina, tanto motor de centro rabeta quanto o motor de popa, a faixa ideal de cruzeiro é em torno de 3.000 a 4.000 RPM – isso baseado em testes já realizados na área. Apesar dos resultados serem diferentes para os motores a diesel, visto que eles possuem uma faixa de rotação menor que os motores a gasolina. A ideia dos 50 a 60% da rotação máxima se mantém também. 

Também existe dentro da velocidade de cruzeiro uma categoria conhecida como velocidade de cruzeiro econômica. Que é quando o motor atinge sua maior autonomia, ou seja, percorre uma maior distância gastando menos combustível

Como calcular a velocidade de cruzeiro da embarcação?

É preciso realizar alguns cálculos rápidos para saber qual é a velocidade de cruzeiro ideal da sua embarcação, onde ela consegue ter maior autonomia. Os cálculos precisam identificar a velocidade média e o consumo de combustível médio para então conseguir calcular a velocidade de cruzeiro ideal da lancha. 

Principais anotações para realizar os cálculos

Calcular a velocidade de cruzeiro deve ser feito da seguinte forma. Você precisa coletar dados de quando sua embarcação estiver navegando a 3.000, 3.500 e 4.000 RPM. Com base nesses dados serão avaliados também o consumo de combustível e a velocidade média em cada uma dessas rotações. 

Vamos começar com a seguinte marcação: com o seu barco a 3.000 RPM você irá verificar no computador do motor qual é o consumo de combustível e na tela do GPS qual é a velocidade naquele momento. Anote essas informações para que o cálculo seja o mais eficaz possível. Você vai fazer essas mesmas anotações estando navegando a 3.500 e 4.000 RPM: velocidade e consumo de combustível em cada uma das rotações separadas.

É fundamental que durante a navegação seja seguida uma raia, uma reta de forma a ter uma direção como referência. É importante manter um trim, o ângulo da rabeta em equilíbrio de forma que a proa não fique nem muito enterrada e nem muito alta. Essas instruções precisam ser seguidas para a obtenção de dados mais precisos na hora de calcular a velocidade de cruzeiro da sua embarcação. 

Colocando os cálculos em prática

Após obter todas essas informações é hora de realizar o cálculo que irá nos apresentar o resultado final. Que será feito da seguinte forma:

  • Você vai dividir o valor da velocidade pelo consumo de combustível em litros por hora e multiplicar por 90% do volume do tanque da sua lancha. Os 90% do volume do tanque já contando com uma margem de segurança de 10% do combustível reservado no local. 

Avaliando os resultados finais

Realizando essa conta no caso das três rotações diferentes você terá os valores em milhas de qual é a autonomia do seu barco em cada uma das situações. Isso significa a rotação que permitir que você navegue por mais milhas utilizando da melhor forma o combustível de litros por hora. 

Essa é uma das melhores formas de calcular a velocidade de cruzeiro da sua embarcação. É importante ressaltar ainda que tendo esse dado é possível realizar passeios mais seguros, conhecendo a capacidade do seu barco e também economizar na hora de abastecê-lo. 


Agora que você já conhece um pouco mais sobre como calcular a velocidade de cruzeiro da sua lancha e os benefícios de conhecer esta prática, que tal escolher a sua embarcação preferida? Entre em contato com o nosso estaleiro FS Yachts, conheça todos os modelos de lanchas disponíveis e escolha a sua! Clique aqui para acessar nosso site.

Você sabe qual o momento certo de trocar o rotor da bomba d’água?

Compartilhe:

Hoje vamos falar sobre os cuidados que devemos ter com um item que parece ser simples, mas é de extrema importância para o bom funcionamento do motor do barco. Já ouviu falar sobre o rotor da bomba d’água? Se você é dono de uma embarcação ou é responsável pela manutenção de uma, deve se atentar a este assunto. Neste conteúdo apresentamos a importância desta peça e qual é o momento certo de trocar o rotor da bomba d’água! 

 

Boa leitura! 

 

 O que é rotor da bomba d’água e qual sua importância para a embarcação?

 

Se você ainda está se atualizando sobre os assuntos do mundo náutico, esse com certeza é um dos que você precisa se aprofundar. O rotor da bomba d’água é uma peça de borracha consideravelmente pequena, mas de grande relevância para garantir o perfeito funcionamento do motor da sua embarcação.

 

O rotor da bomba d’água é o responsável por criar um movimento circular e contínuo no eixo da bomba, pressurizando água para refrigerar o motor. Essa peça também é conhecida no mundo náutico como “aranha”. 

 

Porém, é importante ressaltar que.. esse é um produto que precisa de manutenção periódica, já que o seu mau funcionamento pode prejudicar o motor da embarcação e gerar sérias consequências e prejuízos. Se a manutenção da peça for realizada com frequência, ela dificilmente apresentará problemas, mas caso ela não seja realizada, pode acarretar até mesmo em uma troca completa do motor.

 

Como saber qual é o momento certo para trocar o rotor da bomba d’água?

 

Existe um controle que deve ser feito em média para saber quando está na hora de trocar o rotor da bomba d’água. Normalmente, a peça precisa ser substituída a cada 300 horas de uso do motor ou a cada quatro anos (conforme instruções do fabricante do motor). Se as navegações são recorrentes em água doce, o recomendado é fazer a revisão na peça a cada 50 a 100 horas de uso, já em navegações frequentes em águas salgadas e, principalmente, rasas, a manutenção deve ser feita em até 50 horas de uso. 

 

Lembrando que é de extrema importância que essa manutenção ou revisão seja realizada por profissionais capacitados, que possam identificar a real necessidade da substituição da peça e, caso necessário, que seja uma peça original e de boa procedência. 

 

Os riscos ocasionados por estragos e o mau funcionamento do rotor da bomba d’água são sérios e podem acarretar em diversos prejuízos. Caso as pás do rotor estejam deformadas ou ressecadas por falta de uso, elas irão puxar menos água, comprometendo assim a refrigeração do motor. Caso uma dessas pás se rompa, o motor pode parar de funcionar durante uma viagem ou passeio, queimar as juntas ou até mesmo fundir o motor da embarcação.

 

Quais os cuidados ter com o rotor da bomba d’água?

 

Existem alguns cuidados que precisam ser tomados para se estender a vida útil do rotor da bomba d’água e evitar assim possíveis problemas com a peça. Confira as principais dicas abaixo:

 

  • Não ligar o motor da sua embarcação fora da água. Essa prática faz com que o rotor da bomba d’água trabalhe a seco, o que pode ocasionar o seu próprio comprometimento e também o superaquecimento do motor da embarcação;
  • Sempre verificar se a saída e entrada de água estão limpas. Com o tempo, pode acontecer de algum detrito se prender a essas extremidades e dificultar o fluxo de água;
  • Ficar sempre atento ao esguicho de água do seu motor, afinal ele está ligado diretamente ao funcionamento do rotor da bomba d’água;
  • Existem vários tipos de rotores específicos para cada tipo de marca e de motor, portanto atenção para que o seu rotor esteja de acordo com as especificações do fabricante;
  • Evite navegações em lugares com águas muito rasas, arenosas, de difícil acesso, que exigem demais da peça; 

 

Agora que você já conhece um pouco mais sobre o rotor da bomba d’água e qual o momento certo de fazer a manutenção preventiva desta peça – que tal conhecer as embarcações do estaleiro da FS Yachts? Conte com quem entende do assunto, acesse agora mesmo nosso site e confira todos os modelos de lanchas novas e semi-novas.