Mergulho em alto mar: mais uma opção de lazer com sua lancha

Compartilhe:

Para quem é fã de aventuras e de modalidades aquáticas, o mergulho em alto mar é uma ótima opção de lazer! Existem vários tipos da atividade, por isso que, no texto de hoje, vamos apresentar quais são esses tipos e os cuidados que você deve tomar ao realizar essa modalidade. Confira!

 

Quais os tipos de mergulho em alto mar?

A prática do mergulho em alto mar é uma das atividades mais procuradas pelos turistas nos litorais e também por pessoas que têm interesse em experimentar essa modalidade tão popular – que é conhecida por proporcionar uma experiência única ao explorar o mundo submarino. Não é à toa que o mergulho hoje é um esporte reconhecido mundialmente, e cada vez mais vem ganhando novos adeptos.

 

  • Mergulho livre

Esse tipo de mergulho em alto mar é quando a atividade dispensa a utilização de aparelhos próprios para a respiração. Ou seja, o mergulhador fica debaixo d’água pelo tempo que conseguir, o que vai depender da sua preparação física, capacidade pulmonar e controle emocional. Essa modalidade de mergulho é dividida em dois tipos: apneia e snorkeling.

mergulho livre

  • Apneia: é uma modalidade que só é indicada para quem já tem experiência em praticar apneia, que tenha preparo físico para mergulhar e que conheça as técnicas que devem ser aplicadas – já que nessa atividade o mergulhador desce altas profundidades, sem equipamento nenhum – para auxiliar sua respiração. 

 

  • Snorkeling: essa modalidade é muito conhecida justamente por poder ser praticada sem muitas exigências ao mergulhador. São utilizados três equipamentos que auxiliam no mergulho: máscara de mergulho, nadadeiras e snorkel (que é um tubo em média de 35\45 centímetros, que permite que o mergulhador respire sob a água, sem precisar levantar a cabeça). Além disso, é uma das modalidades mais comuns, inclusive pelo baixo custo de aquisição do equipamento, algo entre R$100 e R$200. 

 

  • Mergulho autônomo

Diferente da primeira modalidade de mergulho em alto mar, nessa o mergulho se torna um pouco mais elaborado. A denominação de autônomo se dá pelo fato do mergulhador ter autonomia para respirar com a ajuda de equipamentos específicos para esse tipo de atividade, conhecida como SCUBA (Self-Contained Underwater Breathing Aparattus).

O mergulho autônomo também é dividido em dois tipos, conhecidos como: recreativo e técnico.

mergulho autônomo

 

  • Recreativo: nesse tipo de mergulho, mesmo com os equipamentos auxiliares seguindo os manuais de certificadoras, é permitido que o mergulhador atinja o limite máximo de até 40 metros de profundidade devido à alta pressão e os riscos que isso pode causar.

 

  • Técnico: diferente do tipo recreativo, na modalidade de mergulho técnico, não existe limite estipulado pelas tabelas certificadoras de mergulho. Nesses casos, o mergulhador precisa de equipamentos especiais que possam estender o tempo de submersão na água com a maior segurança possível. 

 

  • Mergulho dependente 

O mergulho dependente é considerado profissional, a atividade deve ter além de experiência, uma certificação específica. O mergulho dependente é praticado geralmente por profissionais que trabalham na área de construção civil e plataformas de petróleo – onde são vigiados por algum responsável que fica na superfície. 

Mergulho Dependente

 

Qualquer pessoa pode realizar mergulho em alto mar?

Em casos de mergulho livre, que são atividades menos intensas, as recomendações são mais simples do que os mergulhos mais elaborados, que se façam necessário o uso de equipamentos auxiliares para atividade. 

Nas outras modalidades de mergulho é preciso que antes da prática, seja realizado um curso de mergulho ou que a atividade seja assistida e acompanhada de um profissional que possa repassar todas as recomendações necessárias. 

As recomendações gerais são de que pessoas com doenças como, por exemplo, claustrofobia, epilepsia, depressão e enfisema não pratiquem modalidades de mergulho – assim como crianças abaixo de 12 anos de idade. 

Outro detalhe importante é que nunca deve-se praticar a modalidade de mergulho em alto mar sem ter alguém como dupla; pois caso ocorra algum problema durante a atividade, um poderá prestar assistência ao outro parceiro.

 

Essa com certeza é mais uma opção de lazer que você pode praticar com sua lancha da FS Yachts, lembrando sempre de respeitar todas as regras e recomendações de segurança ao realizar o mergulho em alto mar.

 

Deu até vontade de praticar mergulho em alto mar, não é mesmo? Agora que já sabemos um pouco mais sobre o assunto, quem sabe chegou a hora de experimentar essa aventura! Se gostou desse conteúdo, siga nossas redes sociais: Facebook e Instagram e confira outros assuntos como esse.

4 esportes náuticos para praticar com sua lancha

Compartilhe:

Normalmente quando pensamos em lanchas a primeira alternativa que vem à cabeça é a oportunidade de navegar pelas águas brasileiras, conhecer a nossa costa e toda a beleza que ela proporciona. No entanto, comprar um barco significa muito mais, podendo ser a oportunidade de lazer e também da prática de esportes náuticos.

Se você curte adrenalina e aventuras radicais, a lancha é uma das opções. Ela garante a diversão e entretenimento de quem opta por esse tipo de esporte, afinal, como sabemos a prática esportiva traz diversos benefícios para a saúde, tanto física quanto mental. A realização de qualquer modalidade reduz a ansiedade e previne várias doenças.

 

E na água há muitos esportes que podem ser realizados. Por isso o texto de hoje da FS Yachts é dedicado a este tema. Aqui, você saberá quais os principais esportes náuticos que podem ser praticados com a sua lancha. Confira abaixo 4 exemplos!

 

Modalidades de esportes náuticos para praticar com sua lancha

 

1. Esqui Aquático 

A prática do Esqui Aquático requer atenção e equilíbrio dentro da água, principalmente de quem está realizando o esporte. Para isso é recomendado no mínimo duas pessoas a bordo do barco, uma para pilotar e outra para manter o esquiador sempre a vista. A velocidade média da embarcação para o Esqui Aquático é de 32 km/h. 

O Esqui Aquático no Brasil é conhecido e praticado há mais de 20 anos, e entre as modalidades existentes temos: Truques, Rampas e Slalom. Dentre as atividades a que permite um melhor desenvolvimento dentro d’água é a Slalom, pois seu objetivo é verificar o número de vezes que a pessoa consegue realizar a pista. 

Porém, a prática do Esqui Aquático pode ser também somente para o entretenimento, um hobby dos adoradores dos esportes náuticos. Vale destacar que a modalidade trabalha a resistência e força dos seus praticantes. De acordo com pesquisas o valor calórico gasto em uma hora do esporte é de até 400 Kcal.

 

2. Wakeboard 

Um pouco mais radical que o Esqui Aquático, o Wakeboard é considerado um dos esportes náuticos mais praticados no mundo. Para sua realização é preciso uma prancha menor e mais leve que as tradicionais pranchas de surf. Além disso, ela é composta por duas botas acopladas para que o esquiador se mantenha preso na superfície. 

Para a prática do Wakeboard uma corda com manete é presa sobre a lancha para que o esquiador agarre-se e flutue pela água. Por isso ele deve ser feito no mínimo por 3 pessoas: o piloto responsável por conduzir a lancha, outro para ficar atento ao esquiador e o praticante do esporte. 

Para garantir a segurança do wakeboarder o uso de colete salva-vidas modelo esportivo é indispensável. 

 

3. Wakesurf 

Derivado do Wakeboard, o Wakesurf apresenta suas peculiaridades, no entanto é uma das modalidades de esportes náuticos que ganha cada vez mais adeptos. Assim como o nome diz, o esporte é conhecido como surf, porém as ondas são feitas pela lancha. 

Relativamente novo, o Wakesurf é praticado especialmente em rios e lagos, ou mares com poucas ondas. Nesse caso, a lancha serve para dar suporte ao surfista para que ele se equilibre para pegar a onda. Para essa modalidade é necessário uma lancha que gere uma onda maior para que o praticante possa surfá-la. 

 

4. Pesca Esportiva 

Dos esportes náuticos já citados, a pesca esportiva é menos conhecida no Brasil, mas já é praticada por muitas pessoas. Diferente da pesca recreativa que tem como objetivo o entretenimento, na categoria de esporte ela apresenta regras e definições. 

A primeira diferença nas competições é que há um acordo entre os competidores e a organização para que os peixes sejam entregues à água após a prova. A segunda finalidade – em alguns casos – é pescar os maiores peixes possíveis no menor tempo possível, entre outras características. 

 

Gostou das dicas? A FS Yachts conta com modelos ideais para a prática de diversos esportes náuticos. Entre no nosso site e escolha já a sua lancha!