5 dicas náuticas que todo mundo deve saber

Compartilhe:

Não há como negar que o passeio de barco, conhecendo novas e belas paisagens deixa qualquer momento mais especial. Entretanto, precisamos de cuidado e atenção para uma navegação segura. E por isso, as dicas náuticas que separamos aqui podem trazer os esclarecimentos que você precisa.

Assim, você evita possíveis problemas e mais importante: estará preparado para as adversidades que talvez possam surgir. Confira abaixo as valiosas dicas náuticas que a FS Yachts separou para você.

Dicas náuticas para garantir um ótimo passeio de lancha

1. Esteja com a documentação em dia

Antes de mais nada, a habilitação náutica é o item essencial, que comprova que o piloto está apto para navegar. 

Pois, assim como é necessário para quem dirige carros ou motos, por exemplo, a carteira de habilitação náutica é um documento previsto em lei, e ao dirigir sem a documentação em dia, podem haver graves consequências.

A carteira de habilitação náutica também é conhecida como (CHA) – Carteira de Habilitação de Amador, e é encontrada em diferentes categorias: Arrais Amador, Veleiro Amador, Motonauta, Mestre Amador e Capitão Amador. 

Caso queira saber mais sobre este assunto, a FS Yachts tem um material completo para você! Basta entrar neste link e garantir todas as informações gratuitamente através do seu cadastro.

2. Aprenda a nomenclatura de cada parte do barco

A seguir listamos os principais nomes que você deve saber:

  • Proa: a frente da lancha;
  • Popa: a traseira do barco;
  • Estibordo: o lado da lancha que está à direita de quem olha para a proa;
  • Bombordo: o lado do barco que está à esquerda de quem olha a navegação de frente (proa);
  • Ponte de comando: o centro de comando da navegação
  • Boreste: termo também usado no Brasil para se referir a estibordo (direita de quem olha para a proa);
  • Superestrutura: qualquer estrutura acima do convés da embarcação, contendo, geralmente, aponte e alojamentos
  • Cabine – um quarto fechado num deque
  • Deques – os “pisos” e diferentes andares do barco
  • Casco – a estrutura de flutuação que suporta a lancha
  • Mastro – um poste concebido para a suspensão das velas

3. Vá preparado caso o passeio dure mais do que o previsto

Uma das dicas náuticas que podem te ajudar a não passar perrengue, é essa! Lembre-se sempre de levar um pouco mais do que o necessário, caso o passeio seja prolongado.

Água potável: nunca esqueça de levar água, mesmo que o passeio seja curto. É importante lembrar que o sol e água salgada em um banho de mar nos dão ainda mais sede. Por isso, faça as contas de quantos litros cada um deve tomar no tempo planejado e leve em dobro.

Combustível: saia sempre com o tanque cheio e tente ter sempre o dobro do necessário para o passeio ou viagem que planeja fazer.

Comida: aproveite as vantagens de uma churrasqueira náutica para preparar uma comida especial a bordo. E além disso, leve frutas e barrinhas de cereais que são leves e de fácil ingestão.

4. Bom senso sempre

O bom senso é o seu melhor amigo, pois ele é a voz da consciência que vai te ajudar a se livrar de qualquer situação perigosa. Por isso, ele não podia faltar em nossas dicas náuticas. Confira:

  • Mantenha a distância das praias e dos banhistas;
  • Respeite a lotação máxima da embarcação;
  • Não polua o mar;
  • Se beber, passe a direção para outra pessoa habilitada;
  • Respeite a vida, preste socorro e seja solidário;
  • Conduza seu barco com prudência e em velocidade compatível a fim de evitar maiores problemas;
  • Mantenha distância de outras embarcações e evite manobras rápidas caso esteja próximo a uma.

5. Zele pelo bem-estar da sua tripulação

Garantir o conforto e segurança dos seus tripulantes é fundamental, logo, como comandante do barco, você deve zelar pelos seus. Caso um dos seus convidados esteja passeando de barco pela primeira vez, é recomendado que o trajeto seja mais curto e próximo às margens.

Como os novatos tendem a enjoar com a lancha em movimento, essa estratégia vai facilitar o retorno caso algum dos tripulantes precise desembarcar devido a náuseas.  

O que achou das nossas dicas náuticas? Não esqueça de acompanhar as nossas redes sociais para ter acesso a conteúdos exclusivos, criados especialmente para deixar a sua navegação cada vez mais satisfatória. Estamos no Instagram, Facebook e Youtube

Cuidados para donos de barco: 3 erros que podem custar caro

Compartilhe:

Para aqueles que querem ter (ou já têm) a própria lancha, é importante ter em mente que a manutenção é uma das partes indispensáveis e que devem ser sempre tomadas como uma prioridade. E, nessa busca que os donos de barco passam para garantir o melhor às suas embarcações, existem certos erros que devem ser evitados.

No texto que a FS Yachts preparou para você hoje, nós trouxemos 3 destes principais erros que os donos de barco não devem cometer se não quiserem gastar um bom dinheiro sem necessidade. Continue a leitura abaixo e entenda!

 

Os 3 erros que podem custar caro para donos de barco

 

1. Dispensar o uso de um contrato

O primeiro erro que donos de barco não podem cometer de jeito nenhum é não dar a devida importância aos contratos. E isso vale para todas as situações em que um negócio estiver envolvido, até mesmo pequenos reparos. Até porque, caso algum problema não tenha sido devidamente consertado, é com o contrato que você poderá provar o que deveria ser feito e ganhar vantagem em uma eventual negociação.

Porém, pelo fato de o valor envolvido ser significativamente mais elevado, os contratos têm relevância ainda maior quando falamos na compra de uma embarcação. No caso de barcos novos, a preocupação não precisa ser tão grande assim, afinal, estaleiros confiáveis têm como procedimento padrão a emissão de um contrato incluindo tudo que acompanha a mais nova lancha.

O grande erro aqui é não cobrar um contrato em negociações de embarcações usadas. Por não serem novas, elas possuem certo risco de apresentarem problemas imediatamente após a troca de dono. Quando certos detalhes como um motor falho não são especificadas em um contrato, a responsabilidade (e o prejuízo) são todos de quem comprou.

 

2. Não realizar testes imediatos após uma manutenção ou conserto

No caso das manutenções e dos reparos, um teste imediato — e, de preferência, no mesmo local em que o serviço foi feito — é a melhor maneira que donos de barco têm de atestar se os problemas foram, de fato, corrigidos. Especialmente se você já tiver cometido o primeiro erro da lista e não tiver a garantia do trabalho por escrito.

Portanto, exija que você mesmo possa fazer um teste na frente do prestador do serviço e ter a certeza de que está tudo certo. Caso você tenha feito um contrato prévio, ótimo! Confira neste teste se tudo que foi contratado foi feito e não aceite formalmente sua embarcação de volta enquanto tudo não estiver conforme contratado.

 

3. Basear decisões em opiniões de familiares e amigos

Esta é uma questão polêmica. Ainda mais quando consideramos que nossos familiares e amigos são as companhias que mais gostamos nos nossos passeios de barco, não acha? No entanto, a verdade é que se o amigo ou familiar em questão não é especializado no assunto ou, pior ainda, não entende nem um pouco sobre o mesmo, a opinião dele não deve ser tomada como válida.

Sempre que você for fazer uma escolha relevante envolvendo sua lancha, desde a própria aquisição até a identificação de problemas e escolha de fornecedores, tome como palavra definitiva a sua decisão.

Se você acredita que não possui o conhecimento necessário, não corra riscos; converse com profissionais. Se eles forem funcionários de determinada empresa, ouça mais de uma opinião. Sempre busque o melhor para a sua embarcação, lembre-se de que ela não foi um investimento barato.

 

 

Evitando estes erros, você e outros donos de barco podem evitar prejuízos, tanto para os bolsos quanto para os barcos. Gostou do conteúdo de hoje? Para receber ainda mais textos como este, siga a FS Yachts no Facebook e no Instagram!

Manter o barco em casa ou marina? Quais as vantagens de cada um?

Compartilhe:

O local onde o barco fica guardado é responsável por atuar em diversos aspectos do seu uso. A frequência de utilização, a facilidade de transporte e as manutenções regulares, por exemplo, são variáveis que influenciam a rotina do proprietário e que são diretamente afetadas pela acomodação.  

Neste cenário, existem duas possibilidades comuns: casa ou marina. Dependendo do perfil do dono e do tamanho da embarcação, cada uma delas possui suas vantagens próprias. É fundamental analisar com calma, se possível até mesmo antes de adquirir a lancha, qual tipo de armazenamento é o mais adequado.

Para esclarecer as dúvidas mais recorrentes, trouxemos o texto de hoje. Nele, falaremos sobre as principais características e benefícios de manter um barco em casa ou marina. Cada uma das particularidades citadas pode fazer diferença ou não, cabendo julgamento por parte do dono. Saiba mais!

 

Vantagens de manter o barco em casa

A maior vantagem de se armazenar uma embarcação em casa é o baixo custo. A despesa com marina, via de regra, é a maior a se pagar para manter uma embarcação.

Enquanto deixar o barco em uma marina requer investimento, mantê-lo em casa não. Basta ter uma garagem ou um espaço sobrando no quintal, em seu rancho ou casa de praia.

 

Cuidados a serem tomados

No entanto, ao optar por deixar a embarcação em casa, a responsabilidade de todos os processos de rotina, principalmente o transporte até a rampa e a limpeza, passam a ser do proprietário, diferente de como seria em uma marina. É indispensável que certos cuidados sejam tomados periodicamente, entre eles:

  • adoçar o motor caso o barco seja utilizado em águas salgadas;
  • limpar o barco após todos os usos;
  • ligar o motor no mínimo uma vez a cada sete dias;
  • colocá-lo na água para rodar em alto giro pelo menos uma vez por mês;
  • cuidar com a operação de embarque e desembarque na rampa para não danificar o casco e a rabeta.

 

barco em casa

 

Vantagens de manter o barco em marina

Já os benefícios de uma marina se diferenciam pela ausência de preocupações. Apesar de requerer certo investimento, deixar o barco em uma marina traz muito conforto e comodidade, especialmente quando a marina oferece o serviço de limpeza.

Todos os cuidados periódicos que citamos anteriormente são feitos pelos funcionários, os quais deixam tudo pronto para que o dono possa fazer seus passeios sempre que quiser.

Graças a essas praticidades, as saídas são feitas com maior frequência. É só ligar e avisar que pretende sair e o barco estará pronto para partida. Na volta, as responsabilidades não existem: é só descer e ir embora, o resto fica por conta da marina.

 

Como escolher uma marina

Beleza, serviços extras e preço são alguns dos fatores vistos com mais relevância pela maioria na hora de escolher uma marina.

Ainda que a beleza indique qualidade, os serviços extras apresentem seus benefícios e o preço faça a marina caber ou não no orçamento, existem outras características tão importantes quanto e que devem ser levadas em consideração. Confira algumas delas:

  • local seguro, que conte com controle de acesso e seguranças;
  • funcionários preparados para as manutenções necessárias;
  • preço de acordo com a qualidade do local, seja ele mais alto ou mais baixo;
  • licenças ambientais e de funcionamento emitidas e em dia.

 

barco em marina

 

As duas opções de armazenamento contam com suas vantagens próprias, sendo que cada uma delas pode ser ideal para pessoas diferentes. Gostou do conteúdo de hoje? Ficou com alguma dúvida? Entre em contato com a FS Yachts, estamos sempre prontos para atendê-lo!