Conheça os 4 mais importantes nós para marinheiros

Compartilhe:

As funções dos nós para marinheiros são variadas, indo desde a básica de prender o cabo a um objeto até à de unir dois cabos iguais ou diferentes. Como a maioria dos comandos feitos em uma embarcação é manual, é muito importante que o marinheiro tenha o mínimo conhecimento a respeito deles.

Se você se interessa pelo assunto e quer saber mais sobre os nós para marinheiros, suas funções, quais são os indispensáveis e como fazer cada um deles, o guia de hoje foi feito para você, que quer  entrar ainda mais no mundo náutico. Confira!

 

essenciais nós para marinheiros

 

Nó de cunho

Se existe um só nó que você precisa saber, e que sem dúvida usará em 100% das vezes que sair para navegar, é o nó de cunho, que, como o próprio nome sugere, é usado para amarrar o chicote de um cabo a um cunho.

Mesmo sendo conhecido e importante, muitos navegadores iniciantes não o fazem da maneira correta, comumente apenas trançando o cabo sem dar muita atenção. Existe, no entanto, o jeito certo de se fazer o nó, o qual você pode conferir na imagem abaixo.

 

nós para marinheiros cunho

Para ficar ainda mais claro, veja o pessoal do canal Hashtag Sal ensinando como fazer um nó de cunho:

 

 

Nó direito

O nó direito é utilizado para unir dois ou mais cabos, e perfeito para unir cabos iguais, tanto em diâmetro quanto em material. Este nó é muito útil para juntar cabos que se romperam ou fazer um cabo maior. Veja como fazê-lo:

 

nós para marinheiros direito

Abaixo, um vídeo do canal Guia de Nós – Knoting Guide ensinando a fazer perfeitamente um nó direito:

 

Nó de defensa

O nó de defensa serve para amarrar as defensas do barco. As defensas são “bóias” feitas para proteger o costado da embarcação de contato quando você vai atracar em um píer/trapiche ou em outras embarcações.. Também conhecido como volta do fiel, o nó de defensa é feito assim:

 

nós para marinheiros defensa

Confira o vídeo do canal espanhol SailandTrip ensinando como fazer o nó de defensa:

 

Lais de guia

Este é, definitivamente, o nó mais famoso e mais usado. Isso não acontece à toa, afinal ele serve como coringa para praticamente qualquer situação, graças à sua resistência e facilidade de desmanche quando necessário. Alguns de seus usos comuns são prender a corda em âncoras e amarrar o barco em píeres. Veja o lais de guia abaixo.

nós para marinheiros lais de guia

 

Veja novamente os integrantes do canal Hashtag Sal, desta vez ensinando a fazer o lais de guia:

 

 

Gostou das curiosidades sobre nós para marinheiros? Se quiser saber mais sobre barcos e o universo náutico em geral, siga a FS Yachts no Facebook e no Instagram!

Como tirar a carteira de habilitação náutica?

Compartilhe:

Para que se possa navegar em um barco com segurança e tranquilidade, certas precauções precisam ser tomadas. Enquanto a maioria delas diz respeito à embarcação em si, outras tratam especificamente do piloto. Ter a manutenção da lancha em dia é importantíssimo e é algo que não pode ser negligenciado, mas nada supera a relevância da habilitação náutica.

Além de a habilitação atestar que o piloto sabe o que deve fazer em qualquer situação e os processos até ela ensinarem o essencial sobre navegação, a carteira náutica é prevista por lei, e a sua falta pode trazer consequências sérias. A multa para quem for pego sem possuir a habilitação náutica é de a partir de 2 mil reais. Isto sem contar, é claro, nos riscos de acidentes.

Buscando trazer mais informações e destacar a importância de ser um piloto habilitado, a FS Yachts trouxe para você o guia de hoje. Abaixo nós falamos sobre todos os processos necessários para se obter a licença, desde os documentos até os estudos e provas exigidos. Tiramos também algumas dúvidas sobre as categorias, sendo as principais arrais amador, mestre e capitão. Continue a leitura e confira!

 

Documentos e exigências

Muitas pessoas pensam que o caminho para a obtenção da habilitação náutica é longo e cheio de burocracias, mas não é bem assim. Existem, sim, algumas exigências e, antes mesmo de pensar em partir para os próximos processos, o futuro marinheiro precisa cumprir alguns pré-requisitos:

  • Ter 18 anos completos.
  • Ter a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou apresentar um atestado médico que comprove a plenitude das faculdades físicas e mentais.

 

Escola Náutica

O próximo passo é encontrar as escolas náuticas de sua região. Procure na internet ou converse nas marinas: em todas as regiões que existem barcos, também há escolas náuticas. A escola irá agendar as aulas teóricas e as aulas práticas na embarcação e/ou moto aquática.

 

Estudos e outros procedimentos

Após as aulas, a escola náutica irá agendar a data de realização da prova teórica na Capitania dos Portos de sua região. A prova conta com 40 questões, e é preciso acertar pelo menos metade delas para ser aprovado. No caso de reprovação, o exame pode ser realizado novamente.

Para não passar por problemas, o recomendado é que se atente às aulas da Escola Náutica e à apostila fornecida.

Diferentemente da prova para a obtenção da CHN, a CHA (carteira de habilitação de amador) não exige prova prática, somente as aulas. O resultado da prova teórica sai em cerca de uma semana, a habilitação fica pronta em até um mês e possui validade de 10 anos.

 

Categorias de habilitação náutica

Aqui é comum que hajam algumas dúvidas. Assim como acontece com a habilitação terrestre, existem diferentes categorias para diferentes modalidades de piloto. Entenda:

 

Arrais Amador

É a categoria básica e a mais procurada por aspirantes a marinheiro. A habilitação náutica de arrais amador permite a condução de barcos em águas abrigadas, como rios, lagos, lagoas e baías, em uso recreativo.

Uma confusão comum em relação à “águas abrigadas” é de que não se pode navegar no mar, mas na verdade o arrais amador permite navegação no mar com certas limitações.

Veja, por exemplo, os limites de navegação abrigada na região do Litoral Norte de São Paulo:

 

habilitação náutica área arrais 1

 

Aqui, os limites de navegação abrigada na região de Ilhabela/SP, em que você também pode navegar somente com o arrais:

 

habilitação náutica área arrais 2

 

Em Florianópolis/SC, veja que você pode dar uma volta à ilha somente com o arrais amador, desde que com cuidado e se mantendo próximo à ilha:

 

habilitação náutica área arrais 3

 

Repare que cada região de mar tem os limites de navegação delimitados pela capitania dos portos local.

 

Mestre Amador

Já o mestre amador vai um pouco além. A mais que o anterior, ele pode também navegar por áreas costeiras. Vale lembrar que para ser um mestre amador, é preciso ser arrais amador primeiro.

O mestre amador pode navegar a até 20 milhas da costa

 

habilitação náutica área mestre

 

Esse é o ponto em que, basicamente, a praia já praticamente desaparece do horizonte devido à curvatura da Terra. Apesar de permitido por mestre amador, o estaleiro FS Yachts recomenda, por questões de segurança, a navegação de longas distância somente com embarcações equipadas com 2 motores.

 

Capitão Amador

Por último, a habilitação náutica de capitão é o limite dos amadores. Com ela, fica autorizada a navegação por qualquer mar e oceano. Seguindo os exemplos das outras categorias, para ser capitão amador, é necessário ser mestre amador.

O capitão amador pode navegar em águas abrigadas, águas costeiras, e mar aberto. Na prática, não há limites de navegação para o capitão amador.

 

habilitação náutica área capitão

 

Motonauta

Desde 2012, existe uma habilitação específica para pilotar motos aquática, é a categoria “Motonauta”. Desde então, a carteira de amador não permite mais pilotar esta categoria de embarcações. Portanto, caso tenha interesse em navegar com motos aquáticas (jet-skis), já se inscreva para tirar a habilitação de arrais amador e motonauta.

 

Gostou do nosso conteúdo de hoje? Ficou com alguma dúvida? Entre em contato com a FS Yachts, estamos sempre prontos para atendê-lo!

Como garantir uma navegação segura e tranquila para sua família

Compartilhe:

Se você possui seu próprio barco, é provável que goste de curtir uma diversão diferenciada. Uma atividade muito boa é levar toda a família para um passeio, o que é capaz de entreter a todos e ainda fortalecer laços. No entanto, para garantir o programa e evitar problemas, alguns cuidados visando uma navegação segura são necessários.

Exatamente como nos casos automotivos e aéreos, veículos marítimos precisam seguir diferentes normas e orientações. Essas regras dizem respeito a preferências de certos veículos em relação a outros, sinalizações, manobras e áreas. É principalmente seguindo esse tipo de instruções que a navegação segura se torna algo possível.

Pensando nisso, no texto de hoje trouxemos algumas dicas de como garantir uma navegação segura. Assim, você e sua família poderão aproveitar o tempo juntos sem correrem riscos. Portanto planeje a viagem, reúna todo mundo e aproveite!

 

Sinalização

As sinalizações são métodos usados para possibilitar a comunicação entre embarcações. É de extrema importância que sejam seguidas à risca, só assim certificando uma navegação segura. Luzes e sinais sonoros são os mais utilizados, sendo que:

Existem basicamente 7 tipos de luzes para fins diversos: luz intermitente, luz intermitente especial, luz de mastro, luz de alcance, luz circular, luz de reboque e luzes de bordo. Diferentes luzes podem ter diferentes cores, variando entre brancas, vermelhas, verdes e amarelas. As combinações são usadas para transmitir determinadas mensagens.

Há a opção também dos sinais sonoros, através do uso de um apito. A duração dos sons é dividida em curta (cerca de 1 segundo) ou longa (entre 4 e 6 segundos). Assim como no caso das luzes, a combinação de sinais curtos e longos transmite diferentes mensagens na hora de executar manobras. Por exemplo, dois apitos longos e um curto significa “quero ultrapassá-lo pelo seu boreste”.

 

Manobras

Todas as manobras executadas por qualquer embarcação devem seguir regulamento estabelecido pela Marinha do Brasil. Este regulamento é o RIPEAM (Regulamento Internacional Para Evitar Abalroamentos no Mar).

Um dos casos mais comuns descritos pelo regulamento é o de barcos em rumos cruzados com possibilidade de colisão. Utilizando sinalização e comunicação clara, a embarcação que visualizar a outra por estibordo deve antecipadamente se afastar e evitar a sua proa.

Outro caso frequente descrito pelo RIPEAM é o de duas embarcações que se aproximam com risco de batidas em rumos opostos. Em situações como esta, cada navegador é instruído a guinar para boreste, usando a sinalização verde, e, logo em seguida, realizar passagem por bombordo um do outro.

 

Orientações gerais

Alguns outros cuidados, que não dizem respeito a situações específicas, também precisam ser tomados para assegurar uma navegação segura. Por exemplo, todas as embarcações devem respeitar o limite de passageiros, além de ter essa informação disponível em um local de visibilidade facilitada.

Mais uma regra que se aplica a todas as situações é o limite de trânsito em relação à praia. Para evitar acidentes com banhistas, nenhum barco pode navegar em áreas de até 200 metros das praias.

Por último, mas não menos importante, tenha certeza de que sua embarcação possua coletes salva-vidas suficientes para todos os passageiros. É fundamental também que você ensine como utilizá-los corretamente. Pessoas de faixa etária menor que 12 anos e maior que 65 anos são prioridade e devem usá-los obrigatoriamente.

 

Gostou do conteúdo de hoje? Fique por dentro acompanhando a FS Yachts nas redes sociais! Nós estamos no Facebook e no Instagram!

5 atividades para fazer com uma lancha

Compartilhe:

Quem compra uma lancha certamente está pensando em navegar em lagos, rios ou alto-mar, mas nem sempre conhece todas as atividades que é possível fazer com ela. Muito mais do que a navegação, essas embarcações oferecem diversas opções de lazer e entretenimento para os mais variados públicos.

Existem lanchas específicas para atividades distintas e nem todas são propícias para um determinado fim, mas para você conhecer melhor o que uma lancha pode proporcionar para você, seus amigos e familiares, separamos 5 atividades possíveis de se fazer a bordo dessas embarcações. Confira!

 

Festas

Se você gosta de curtir com seus amigos, por que não fazer uma festa em alto-mar? As lanchas maiores são ótimas opções para realizar eventos festivos e oferecer experiências diferenciadas de entretenimento aos convidados.

As festas podem ser realizadas durante o dia ou à noite. Nesse último caso, é válido providenciar uma iluminação especial para a lancha.  Em relação às comidas e bebidas, evite alimentos muito pesados e bebidas muito fortes para não causar enjoo nos convidados. E atente-se para a capacidade máxima de pessoas na embarcação. Para garantir a segurança de todos, é importante respeitar o limite estipulado pelo fabricante.

 

Esportes náuticos

Para a galera que curte aventura e adrenalina, as lanchas também são ideais para a prática de esportes náuticos. O wakeboard e o wakesurf, por exemplo, são boas opções para pessoas de diferentes idades e é garantia de diversão na certa!

Praticar esportes, tanto na água quanto na terra, proporciona ótimos benefícios para nossa saúde física e mental. Mas os esportes náuticos requerem alguns cuidados especiais para evitar acidentes. É importante verificar, sobretudo, se a área é segura para a prática desses esportes e se os equipamentos utilizados estão em boas condições de uso.

 

Pescaria

Para o público que gosta de pescar, as lanchas também são boas aliadas para realizar essa atividade, já que elas podem ir até alto-mar, alcançando bons pontos de pesca. Mas é preciso certificar de que a embarcação oferece condições adequadas para realizar a pescaria.

É importante se atentar ao chão da lancha e garantir que ele fique sempre seco para evitar tombos e escorregões que podem ser provocados durante a atividade. Também, deve-se evitar ao máximo, realizar a pesca com a lancha em movimento, pois os riscos de acidente são maiores.

 

Churrasco

Outra opção para passar bons momentos com amigos e familiares é fazer um churrasco a bordo de uma lancha. O ideal é aproveitar um dia ensolarado ou um final de tarde para realizar essa atividade, ainda mais se vocês passaram o dia na água, já que a fome vai ser maior.

Fazer churrasco na lancha também requer alguns cuidados essenciais: evite usar líquidos combustíveis, pois eles podem acabar escorrendo para o casco, e fique de olho no carvão, como a churrasqueira das lanchas são menores, o consumo de carvão é mais rápido.

 

Jantar romântico

Para casais apaixonados que desejam curtir um momento a dois e fazer um programa diferenciado, um jantar romântico na lancha é uma boa pedida. Uma noite romântica em alto mar certamente irá proporcionar momentos especiais e será inesquecível para ambos.

Para o jantar ficar ainda mais perfeito, vale a pena contar com uma decoração e iluminação especial para garantir um clima mais intimista. Caprichar na bebida e na comida também é fundamental!

Lembrando que dependendo do seu objetivo principal e de qual atividade pretende realizar com mais frequência, o melhor a se fazer é optar por uma lancha específica para esse fim. E aí, que tal adquirir sua lancha e aproveitar todos os benefícios que ela pode te proporcionar?

Acesse nosso site, conheça nossos modelos de lancha e escolha o que mais combina com você. Se ainda está em dúvida, entre em contato conosco. E não deixe de nos seguir no Facebook e Instagram para ficar por dentro de nossas dicas, novidades e conteúdos exclusivos!

5 cuidados que você precisa ter ao avaliar uma lancha usada

Compartilhe:

Para quem está ingressando no universo náutico e quer conhecer melhor os prazeres que a navegação proporciona, comprar uma lancha usada por ser uma boa opção para essa primeira experiência. As lanchas usadas apresentam a desvalorização do preço como sua principal vantagem comercial, além de, normalmente, já possuir acessórios e itens de segurança obrigatório instalados.

Mas na hora de avaliar uma lancha usada, é preciso ficar de olho em alguns critérios para não se arrepender depois de realizar a compra. Como essas embarcações já foram utilizadas, corre-se o risco de que elas apresentem algum defeito, interna ou externamente. Por isso, atente-se ao histórico da lancha e sempre verifique a procedência da embarcação.

Para não cair em uma cilada, nós separamos alguns cuidados que você deve ter ao comprar uma lancha usada. Confira!

 

Motor e rabeta

Como peça fundamental para o bom funcionamento de uma embarcação, o motor é um dos itens essenciais que devem ser verificados na hora de comprar uma lancha usada. Antes de tudo, verifique se o motor não está fazendo ruídos anormais ou realizando uma força atípica para funcionar. Se nada disso estiver acontecendo, é um bom sinal. Mas lembre-se, também, de verificar a pressão do óleo e a temperatura do motor, além de conferir se a rotação máxima está funcionando de acordo com o especificado pelo fabricante. É muito importante que todos esses testes sejam feito na água, e não somente no seco. O indicado é que leve um mecânico com conhecimento em motores de barcos para lhe acompanhar durante o teste da embarcação. Verifique se todos os instrumentos analógicos (e, caso tenha computador de bordo, o digital) para aferir se todos estão funcionando. E não se esqueça de analisar a parte de fora do motor. É importante verificar se a pintura está com boa aparência, se há riscos, bolhas, etc.

 

Caixa de direção, timão e comando

Uma direção de qualidade garante segurança e tranquilidade na hora de navegar com sua lancha. Atente-se para possíveis vazamentos na caixa de direção que podem acabar comprometendo a pilotagem da embarcação. Verifique o raio de giro e se o grau de rotação é o mesmo para os dois lados, e se o timão está leve e de fácil controle. O comando do motor deve estar bem ajustado, sem dificuldade para engatar tanto o motor à frente como a ré, e o trim deve estar funcionando corretamente.

 

Sistema elétrico

Se não estiver em bom estado, o sistema elétrico de uma lancha usada por causar muitos problemas e gerar gastos extras. Portanto, examine todos os componentes do sistema elétrico, bem como do sistema de propulsão. É importante observar se os fios estão presos e encapados, se a bateria está com carga (e mantendo a carga após carregada) e em bom estado, e se os componentes eletrônicos (gerador, ar condicionado, sonar, gps, rádio vhf, som mp3, alto-falantes, luzes, guincho elétrico, ventilador, flaps, geladeira, inversor, tv, microondas, entre outros) apresentam um bom funcionamento.

 

Casco

Analisar o exterior de uma lancha usada também é fundamental para garantir uma compra segura. Nesse caso, o casco é o principal elemento que deve ser inspecionado. Analise atentamente o casco, certifique-se de que não há nenhuma fissura ou trinca pelas quais possa passar água e, em caso de embarcações maiores, verifique se a pintura anticracas está em dia. Analise, principalmente, toda a parte do casco que fica embaixo d´água, tanto as laterais, como o fundo da lancha. É importante assegurar que não há nenhuma possibilidade de passagem da água para o interior da embarcação, uma vez que isso pode causar problemas mecânicos graves e até mesmo ocasionar um naufrágio.

 

Hidráulica

A hidráulica é outro item que você precisa dar atenção. Verifique todas as conexões hidráulicas da embarcação, se não há vazamentos, em especial nas saídas e entradas que ficam abaixo da linha d’água. Importante, também, verificar as mangueiras e braçadeiras da lancha.

Se você é novo no universo náutico, contar com especialistas na hora de comprar uma lancha usada faz toda a diferença. Somente com profissionais capacitados e que realmente entendem do assunto, é possível escolher uma embarcação que realmente irá te proporcionar momentos de lazer e descontração.

Conheça nossas lanchas seminovas e revisadas pelo estaleiro. Ainda tem dúvidas? Entre em contato conosco. Iremos te ajudar a escolher a melhor lancha para você!

4 maiores mitos sobre náutica e primeiro barco

Compartilhe:

A náutica ainda é vista no Brasil como um mercado de luxo, pois durante muito tempo os barcos eram caríssimos, existiam poucas (e ruins) marinas, poucos fabricantes e poucas opções de motores.

Com a popularização da náutica em todo o mundo, muitos mitos antigos foram quebrados. Veja quais são:

“Um barco te traz dois dias de alegria: quando você compra, e quando você vende.”

Os melhores dois dias de sua vida podem ser em cada final de semana que você sai de barco com sua família e seus amigos.

Convenhamos – você já deve ter visto pessoas saindo de barco em uma manhã de sábado, e pensou: “Gostaria de estar junto!”. Pare de imaginar, e venha conhecer os motivos pelo qual a náutica é uma das formas de lazer que mais cresce no mundo.

“Barcos são caros demais.”

Temos esta impressão pois sempre que se fala de barco, são usados como exemplos os mega iates, geralmente comprados por celebridades.

No Brasil existem feiras náuticas durante o ano todo, apresentando embarcações de todos os tipos, tamanhos e preços, mas toda a cobertura do evento se resume a mostrar “o maior barco do evento”.

O que você provavelmente não sabia, é que 30% dos barcos no Brasil possuem até 19 pés de comprimento (cerca de 5,5 metros), e custam até 70 mil reais. E mais: 60% dos barcos brasileiros são de até 26 pés. Os grandes iates e barcos de luxo que vemos na televisão e nos noticiários representam menos de 3% da frota brasileira de embarcações.

“Barcos consomem muito combustível.”

Este erro é comum, pois a medida de combustível utilizado nos barcos é diferente da utilizada em carros. Nas embarcações, calculamos o consumo em “litros de combustível / hora de uso”.

Uma FS 180 com um motor de 90hp, por exemplo, consome cerca de 12 litros de gasolina por hora de uso. Um leigo pensaria: “se eu utilizar o barco durante 8 horas em um dia, vou gastar quase 100 litros de gasolina!”.

Porém, todos os marinheiros e proprietários de lanchas concordam que em um dia inteiro de navegação, você utiliza o motor ligado por um período aproximado de 2 horas, pois na maior parte do tempo o barco está desligado e você estará na água. Um dia inteiro de diversão na água consumirá, neste exemplo, menos de 25 litros de combustível, ou 75 reais (nos preços de gasolina de 2014).

“Não tenho onde guardar um barco.”

A grande maioria dos brasileiros mora a menos de 1 hora de um local com acesso à água, seja uma represa, lago, rio ou mar. Mais da metade das lanchas do país estão em águas abrigadas, e não no mar.

Existem mais de 1.200 marinas no Brasil, que cobram cerca de 400 reais mensais para guardar uma FS 180, por exemplo, ou 500 reais para guardar uma FS 230.

Nos Estados Unidos, mais de 80% dos barcos são guardados em casa, em carretas rodoviárias. No Brasil, este número ainda é de 11%, mas só tende a aumentar, pois você não irá encontrar uma maneira mais barata de guardar seu barco do que em sua garagem, e levá-lo facilmente para a água quando quiser.

Qual dos 3 tipos de carreta para barco é o ideal para mim?

Compartilhe:

Adquirir uma lancha é muito mais do que receber apenas uma embarcação em si. Além de todos os documentos exigidos e a prática na água necessária, existem inúmeros acessórios feitos para facilitar e melhorar a experiência náutica. A carreta para barco, por exemplo, muitas vezes é vista como um destes acessórios.

No entanto, ela é muito mais que isso. Afinal, ela é o principal atributo que determinará os locais onde a embarcação poderá ser utilizada e a forma de colocá-la na água. Para cada região que se esteja e cada uso que se planeje, existe uma carreta para barco mais adequada e, consequentemente, ideal.

Pensando em você que gosta de saber de tudo sobre o universo náutico e não para de pesquisar sobre ele antes de tomar as próximas decisões, a FS Yachts preparou uma lista com as principais características de cada um dos 3 tipos de carreta para barco, além de falar sobre os casos para os quais cada uma é indicada. Saiba mais!

 

Os 3 tipos de carreta para barco

 

Carreta Rodoviária

Normalmente feita em madeira ou aço, esta carreta possui rodas e pneus automotivos, e luzes na traseira. Suas características permitem que você engate lanchas de até 23 pés no carro e transporte sua embarcação por qualquer estrada.

As carretas rodoviárias são recomendadas para quem não faz uso dos serviços de uma marina, seja por falta de opções na região ou por opção própria. Para muitos, é mais fácil guardar a própria lancha na garagem e levá-la para a água quando desejar. É exatamente nestes casos que o tipo de carreta é indicado.

 

carreta para barco rodoviária

 

Carreta Rodoencalhe

Seguindo o exemplo da anterior, a carreta rodoencalhe conta com pneus automotivos e rodas, porém ela é mais comumente construída somente em madeira. São carretas para embarcações de qualquer porte.

Seu uso mais comum é rebocada a um trator, principalmente para movimentar o barco para dentro e fora da marina com segurança, e para descer e subir a embarcação na rampa de acesso à água. Ou seja, esta carreta é sugerida para os que mantêm suas embarcações em marinas, onde a movimentação até a água é realizada pelos funcionários quando solicitado.

 

carreta para barco encalhe

 

Berço de madeira

Por último, o berço de madeira. Esta é uma carreta mais simples que as outras da lista, sem deixar de ter, no entanto, uma função bem definida. Geralmente construída com rodízios de nylon ou ferro, é utilizada para movimentar as embarcações de maneira provisória em áreas planas.

Seu custo é barato, e sua durabilidade é baixa. O objetivo do berço é, caso sua lancha seja abrigada em uma marina vertical (de gavetas), para que a embarcação seja transportada até a marina, para que então a embarcação seja colocada na gaveta e o berço pode ser descartado. Isto porque nesses ambientes a movimentação dos barcos é feita através do uso de empilhadeiras.

 

carreta para barco berço

 

Entretanto, poucas são as marinas verticais no Brasil, sendo que a maioria está localizada nos estados de Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro.

 

Em resumo:

Recapitulando de maneira mais rápida, se você prefere transportar seu barco por conta própria, a carreta rodoviária é a ideal. Se ele for ficar em uma marina, pergunte aos responsáveis qual tipo de carreta eles recomendam, e vá de acordo com a sugestão.

Gostou da lista? Já sabe qual é o tipo de carreta para barco indicado para você? Caso tenha ficado com alguma dúvida, entre em contato com a FS Yachts! Nós estamos sempre prontos para atendê-lo!